15.1.12

E agora?



Há varias maneiras de se cumprir rituais na vida. Quando somos levados para a escola pela primeira vez tendemos a chorar com saudades de casa, dos nossos pais, da vida anterior àqueles muros e pessoas desconhecidas. Somos tolos ao pensar que aquele fato é isolado.

Sempre que nossa vida muda de rumo, somos levados mais uma vez aquele infeliz primeiro momento escolar. Só que agora, além das saudades repetidas, sentimos saudades também daquilo que costumávamos ser. E não falo de saudade dobrada, mas sim de um misto de saudade e tristeza.

Nós mudamos. E às vezes isso é tão imperceptível quanto um grão de areia sendo arrastado pelo vento, que muitas vezes só é notado quando incomoda os nossos olhos de alguma maneira. E tão semelhante as nossas mudanças internas, temos desespero em nos livrar logo daquilo.

Há cinco anos eu costumava ver o mundo de uma maneira mais utópica. Há dez, eu supervalorizava as minhas emoções e todas as dores, traumas e decepções eram maiores que eu. Há dois anos, eu resolvi abstrair todos os males e foi como deixar de existir por alguns dias. Há alguns meses, me perdi dentro de todas as perspectivas possíveis e existentes. Nada funcionou como eu queria, talvez tenha sido só como deveria ser.

Crescer é tão doloroso quanto ser ignorado na adolescência ou ser superestimado na juventude ou mesmo subestimado. É como ser levado diariamente a escola e encarar tudo como se fosse à primeira vez. Para crescer é preciso espernear, chorar, sentir falta de casa...

Porque crescer é valorizar melhor aquilo que se tem, é esquecer daquilo que costumava ser e que não lhe serve mais, é ser trancado diariamente entre muros e aprender a sair deles, esteja você inteiro ou não.

Um comentário:

Pedro disse...

Crescer, como aqui é dito, é nos perdemos dentro dos nossos próprios limites tentando procurar a possibilidade de um salto na linha do horizonte. Quantas vezes, em crianças, desejamos ser crescidos para sair pela rua sem rumo e agora quando saímos queremos mais que tudo voltar para casa, ou encontrar um motivo que nos leve a ficar em algum lugar? O maior crescimento se apresenta na evolução do cérebro, nos nossos sonhos e na força que ganhamos cada vez que caímos. Muitas palavras concretas, verdadeiras, reais. Abraço.