8.4.11

Que mania essa a nossa...



Que mania a nossa de concordar com quem nos impõe medo e não com quem merece respeito pelas suas opiniões.
Que mania a nossa de nos tornamos quem não somos pelas conveniências.
Que mania a nossa de nos alunarmos por temer as convenções.
Que mania a nossa de querer agradar quem não se importa.
Que mania a nossa de duvidar dos sentimentos e esquecer a razão.
Que mania a nossa de sermos pela metade, quando deveríamos ser por inteiro.
Que mania a nossa de viver pela metade aquilo que precisamos viver cada detalhe, cada instante.
Que mania a nossa de perder oportunidades por ouvir mais aos outros do que a nos mesmos.
Que mania a nossa de sermos infelizes para agradar qualquer outra pessoa.
Que mania a nossa de não mostrar quem somos e quem queremos ser com medo das rasteiras da vida.
Que mania a nossa de não expor nossas opiniões por medo de retaliações futuras.
Que mania a nossa de nos esconder das provocações, das conseqüências e das possíveis vitórias com medo das responsabilidades.
Que mania essa a nossa de não termos personalidade para mudar de opinião quando preciso for.
Que mania a nossa de não escutarmos o silêncio e ler as entrelinhas.
Que mania a nossa de falar mais baixo quando deveríamos gritar.
Que mania a nossa de abdicar dos nossos sonhos para abraçar sonhos de outrem.

Que mania feia a nossa de fazermos da nossa vida algo sem importância, quando deveríamos aproveitar cada segundo para nos tornarmos aquilo que realmente queremos ser.


Um comentário:

Danubya Medeiros. disse...

Ai, que coisa bonita de se ler.Devemos deixar essas manias feiosas de lado,porque com elas não se aproveita,nem aprende, o melhor e mais fascinante da vida.
Adorei.