5.1.10

O Preço que se paga às vezes é alto demais...


Acho que o pior de tudo é a incerteza batendo diariamente na porta. Numa mistura doida de desejo e possibilidades apoiados em sonhos. Quando qualquer coisa dessas se perde, o caminho começa a ficar errado. Não, não é o caminho que fica errado. São as coisas que se desencontram. Se não for isso, eu não sei explicar. Há um tempo, o colorido ficou cinza e todas as coisas iguais, como se algo tivesse se perdido durante a jornada. Ando rezando pra não ter sido eu. Creio que não saberia me encontrar mais uma vez, e tenho grandes dúvidas, algumas dezenas de perguntas e nenhuma resposta. Ninguém teria muita paciência pra me ajudar, pra me guiar, nem eu mesma a tenho. Não. Eu não sei quando isso finda, mas espero ansiosa, antes que o azar se instale, os erros dominem e o destino se perca. Ainda há alguma esperança boba solta em algum lugar dentro de mim...

Um comentário:

CaiXote De PanDoRa disse...

Querida Ana,

Por mais que tuas palavras sejam de
um intenso sentir,absorvo ainda sim a tua poesia em realidade.
Tenha "fé" a vida não "faia"...
Apenas tente se esquecer do caos,
desfarce a guerra e conduza com suavidade qualquer distração na leveza de simplesmente atuar na vida.
Do mais as coisas se encaixam e a vida flui novamente , assim como
o rio ensiste em desaguar no mar.

Feliz 2010 pra ti
Beijos e muitas felicidades querida poeta de verbos sortidos