19.9.09

' E que os muros e as grades, caiam.

E então você começa a notar que algumas situações mudam apenas de casa, de pessoas... e que a insatisfação chega a reinar soberana, nesses casos. Os dias passam estranhos, sem propósitos definidos, tudo que nos resta é sonho. Sonho que só pode ser sonho... entende? No nosso intimo sabemos que aquela possibilidade nunca poderá ser cogitada de verdade e pensamos, sonhamos, sorrimos dentro daquela pequena mentira que nossa mente formou. Algo como finalmente fazer parte dessa complexidade que são as relações humanas... fazer parte de uma forma plena e reiterada. Sentir-se parte. Sentir-se inteiro. Sentir-se.

Acontece que a sensação de que não vai mudar é ampla e forte tarde da noite. A hora em que as verdades aparecem e mostram aquilo que não se quer enxergar durante o dia. A noite é sombria porque é verdadeira, assim como os seus sentimentos. ‘Não dar para passar a vida inteira dentro de uma esfera...’ é o que dizem. Mas às vezes, essa é a única forma de proteção que encontramos. Não sou boa com novas amizades, não sou boa com pessoas no geral, desconfio da minha sombra e vivo em extremos, ou não falo nada ou falo demais. As pessoas que mais sabem de mim, não me conhecem de verdade. Eu sei bem quem sou, mas muitos me deixam em duvida sobre aquilo que eu realmente mereço... mas quem decide? O que o futuro reserva? Só consigo pensar no amanhã como mais um dia que será igual à hoje, contando menos um dia, do tanto que resta para tudo isso aqui acabar... As ilusões são desfeitas, quando se percebe que a você, no fim, só resta você mesmo.

Nenhum comentário: