12.8.09

' Por amor, as causas perdidas...


Às vezes, eu fico me perguntando porque policiar tanto algumas atitudes, já que elas não serão reconhecidas da forma que se imagina. Quando deixamos a desejar... somos relaxados, burros, idiotas. Quando fazemos a coisa certa... ganhamos um ‘não é mais que sua obrigação’ ao invés de um elogio mais banal que seja, mas que pelo menos reconheceria o esforço que é fazer a coisa certa dentro das facilidades que geram diversas coisas erradas e injustas. È que algumas vezes, vendemos até a nossa alma em busca de palavras de gentileza, mas encontrar sempre desmotivação, indiferença e reclamação... desanima, mata (mesmo que em pequenas proporções). É tão ruim quanto ouvir um ‘não conte comigo para isso’, antes mesmo de o pedido de ajuda ser elaborado pelo seu cérebro. As palavras não são medidas, mas as dores não são nada proporcionais quando se passou a vida inteira sendo machucado pelos mesmos motivos. Sabe, algumas historias... elas se repetem: a mesma situação, as mesmas frases, mas o que ela vai causar, sempre será diferente, pois quando andamos machucados demais, a tendência é se anestesiar dessas dores diversas e passar a inércia. Como se o mundo fosse acabar no dia seguinte e a única coisa que se quer realmente fazer, é dormir. Porque forças pra lutar, coragem... não faltam, mas a mente e o coração precisam mesmo é de um longo descanso dessas rotinas.

Nenhum comentário: