4.8.09

Mas louco é quem me diz..


O que faz o ser humano migrar da realidade à fantasia e nela permanecer? Como se aquela fosse mesmo a sua realidade e sentir todos aqueles sentimentos e sensações provocadas ao mergulhar nessa ‘ilusão’? E ainda assim, permanecer com a sua consciência sã; sabendo que não passará daquilo, que não há aonde ir depois que tudo se fechar? E continuar, se afundando mais e mais a cada instante... Sabendo o caminho de volta, mas sem querer voltar?!

Solidão? O que ela pode causar? Como enfrentar seus próprios medos quando se está mais preocupado em enganar e maquiar seus dramas do que enfrentá-los? Afinal, o que é mesmo essa loucura? É algo que se faz ausente ou algo que nunca foi encontrado outrora? Se assim for, não se pode perder o que nunca se teve. Então que é abraçado pela loucura agora, já foi afeiçoado por ela antes.

Parte-se para a loucura que afaga, abandona-se a razão que nunca abriu espaço. A consciência abandona e a ilusão vira uma realidade fraca, mas que convence por alguns instantes e traz falsas sensações de alegria, de felicidade. Vira hábito. E este por sua vez, ‘quando não mata, maltrata’. Seguindo aquele velho dito popular. Do tédio à solidão, da solidão a não realidade, delas todas à loucura. O Ser Humano perde-se dentro de si, quando não sabe ou não quer aprender a se doar.

Loucura não é ausência de razão. Loucura é ausência de sentimentos e laços fortes.

Um comentário:

Júlia disse...

entrei aqui por acaso e por acaso ouvindo essa música...
adorei essa coisa de acaso.

beijo
Júlia Becker*

(*outra coicidencia)