30.7.09

Vêm falar de liberdade pra depois me prender...


“Fazia tudo que eles quisessem
Acreditava em tudo que eles me dissessem
Me pediram pra ter paciência
Falhei
Gritaram: - Cresça e apareça!
Cresci e apareci e não vi nada
Aprendi o que era certo com a pessoa errada
Assistia o jornal da TV
E aprendi a roubar pra vencer
Nada era como eu imaginava
Nem as pessoas que eu tanto amava
Mas e daí, se é mesmo assim
Vou ver se tiro o melhor pra mim.”

[ O Reggae – Legião Urbana ]



Como se definir, quando o que restou de você foram apenas algumas lembranças de uma infância torta, corrompida e solitária? Quando o que se lembra da fase seguinte são fatos desastrosos e importantes a ponto de ditarem seus caminhos de agora? Como dar o passo seguinte, sem livrar-se de fantasmas do passado? Eles com seus rostos definidos, suas ideologias mentidas, suas farsas... enxergar que todos aqueles que lhe eram exemplos, são bem diferentes daquilo que se imaginava. Passa-se então a ser de forma intensa e verdadeira todas as coisas que tomou como exemplo de terceiros, e que neles nunca existiram da forma real, não era mais que uma tamanha hipocrisia. Então, qual a forma correta de ser? Têm-se caminhos novos a seguir, um destino a encontrar, um futuro a definir, e nem um motivo para olhar para trás. Todas as chances vão se perdendo quando as pessoas demonstram quem realmente são. E tudo aquilo que você admirava, agora é só poeira no seu chão. Às vezes, é melhor reprimir parte das nossas expectativas.

Um comentário:

Flor disse...

Por mais que tenhos lugares a conhecer, coisas, pessoas, livros e discos, você nunca vai esquecer do seu passado, nunca vai seguir em frente como se nada tivesse acontecido, haverá, com certeza, um momento que você vai lidar de frente com ele.
É inevitável.

Um beijo.