15.7.09

Ainda não.


Arranhar a pele não é cheirar minha roupa. Deitar no sofá não é entrar em minha solidão. Segurar-se na parede não é observar meus quadros. Tomar o meu café não é antecipar a minha boca. Abrir minhas gavetas não é descobrir meus segredos. Ouvir a minha respiração não é tirar o meu ar. Satisfazer meus desejos não é conhecê-los. Segurar minha mão não é explorar meu rosto. Trocar a água da jarra não me deixará vivo. Dividir a mesa não é repartir o prato. Trancar a porta não fecha as saídas. Copiar a minha letra não é repetir meu medo. Amarrar os meus sapatos não me prende aos pés. Gastar o tempo não é preenchê-lo. Anotar na agenda não prova que existimos. Ouvir uma música não é cantá-la. Plantar uma árvore não é florescê-la. Gerar um filho não é cuidá-lo. Abandonar um livro não é lê-lo. Sentir ciúme não controla o amor. Esperar não é se adiantar. Dormir em minha cama ainda não é morar em minha casa.

Um comentário:

Flor disse...

Falar de amor, não é amar.

Beijo.