8.7.08

blábláblá...


Eu gosto mais da época em que tenho milhões de coisas a fazer e não posso perder tempo de forma alguma... Porque é exatamente isso o que eu faço. Eu ligo a tevê à tarde nesses dias, só porque me resta a obrigação, o dever. E eu nem sou do tipo que vê muita televisão, se for pra ficar mais fútil eu faço isso lendo bobeira em algum lugar, ou me informando com inutilidades, sabe aquelas coisas que ninguém vai te perguntar um dia? Eu sei um monte delas, até falaria se alguém tivesse paciência ou quisesse saber... Tem horas que nem eu só agüento conversar comigo mesma! O que? Ta me achando louca porque eu converso sozinha? Ahh, se todos conversassem consigo mesmo descobririam que só se está sozinho, quando se está acompanhado, aquele que só fala de si enquanto você espera-o terminar pra falar de você, e ensaiar um tipo de conversa contemporânea, onde eu falo de mim, você fala de você e ninguém sabe nada de ninguém. Porque a nossa sociedade anda debilitada de tal forma que não há mais se quer diálogos... É, to falando de conversar mesmo e não de contar coisas sobre você... Arrisco ate dizer que apenas aqueles que estão preocupados com assuntos como o aquecimento global e falam disso diariamente, são quem realmente conversam... Pois não estão contando de si, estão contando dos problemas do mundo, e mesmo que você esteja inserido nele, nem sempre você é o fator mais importante... O mundo tem mais de 6 bilhões de pessoas que não sabem conversar entre si. E eu aqui sendo julgada por conversar comigo mesma, pelo menos há um egoísmo assumido na minha atitude e eu faço isso pra entrar um consenso entre meus diversos eus, porque eu me multiplico me dividindo, soa absurdo, mas é verdade. Quando eu penso que não sei o que fazer, é justamente ai onde alguém aqui dentro de mim, me solta a resposta e eu me sinto a pessoa mais feliz do mundo por ter a mim mesma...

Nenhum comentário: