4.2.08

.e o paraíso, paira no ar.

Aquilo que denominam de felicidade está tão próxima quanto desejamos ou aquém dos horizontes? Como reconhecê-la? Como se imaginar gozando dessa plena sensação? Felicidade é uma condição baseada no ser feliz ou o ser feliz é o que a traz? Lutar pelos nossos sonhos, desejos, vontades, objetivos, significa dizer que ela vem agregada a essas possíveis vitórias? Ter a necessidade dela em determinados momentos quer dizer que sempre necessitaremos quando voltarmos a sentir aquela mesma sensação? Será que ela gera dependência? Seria a busca pela felicidade algo vão? Ela será encontrada, depois perdida para que tudo recomece e que tenhamos que superar diversas outras coisas para reencontrá-la? Porque simplesmente não a encontramos e permanecemos com ela? Será porque tudo que deixa o ego do ser humano nas alturas ou o faz se sentir melhor que outros que não possuem determinada coisa, é volúvel, pode ser facilmente retirado dele? Seria essa um sentimento que deixa os homens vulneráveis? Necessidade, dependência, soberania, egoísmo, dificuldades, sonhos... O que move a eterna busca pela felicidade? Somos felizes, apesar das limitações? Alguns jogam sorrisos no mundo, para iluminar. Outros o fazem, para forçar situações. Mas poderia ele ser a representação? Chorar por algo que te fez um bem, não quer dizer que podes está feliz? Situações! Acredito que o que move realmente essa busca, é a inconstância. Não apenas das pessoas, mas do sentimento, que é como um jogo, você a tem, você a perde, a recupera, você a dissemina, a esconde, usufrui e depois, como se tudo não passasse de um vazio a deixamos em um canto escuro do nosso eu e procuramos um problema pi mesmo fazemos um. Pois o ser humano tem a necessidade de sofrer, perder... Para enfim saber valorizar aquilo que suou ou não para alcançar. O SER humano é tão complicado quanto essa busca e todas essas indagações. Mas, são justamente eles que movem todas as situações. E tenho dito...

Nenhum comentário: