9.9.07

Música! Music! - Mundo, World!


Estava eu vendo as propagandas de cd’s na televisão, quando comecei uma breve analise sobre a dinâmica social e as mudanças que ocorreram nos gostos musicais, que podem ser chamados de desgostos também. Desgosto sim, porque sinceramente haja paciência pra ouvir.

Acho que o esqueleto de John Lennon, vez por outra, se remexe no caixão. Principalmente quando colocam pra tocar o pancadão. Não que ele esteja empolgado e comece a vibrar com o: “só as cachorras, as preparadas, as popozudas...”. O fato que ele deve se incomodar mesmo é o de não poder tampar os ouvidos!

Quando nos damos conta que o Rei do Rock - Elvis fez canções incrivelmente fascinantes e sensíveis. E ouvimos hoje os nossos forrós que empolgam as massas, mas não diz absolutamente nada, são mulheres semi-nuas em danças provocantes, com letras que as condenam, exaltam o adultério, a prostituição... E a povo? Canta em toda esquina, é uma sensação. Damos então adeus a Luiz Gonzaga, que por sorte, não está mais aqui pra ouvi o novo modelo da musica apadrinhada por ele.

Renato, Cazuza, Raul! O que diriam os poetas brasileiros sobre tais rumos que a musica nacional tomou? Sorte, que ainda tem o Humberto Gessinger, o Marcelo Camelo, Caetano e Djavan pra nos salvar. Com letras que criticam fatos e pedem respostas sociais. “Brasil, mostra a tua cara...”. Como cada um tem o paraíso que deseja, tomara que os poetas estejam todos juntos agora, fazendo alguma canção, que os livre de ouvir a radio terrestre.

Não estou aqui fazendo um texto preconceituoso contra o funk, o forró, ou qualquer outro ritmo que seja. Estou apenas dando o meu ponto de vista, acerca das musicas ouvidas anos atrás, com as atuais. Os gêneros citados foram apenas escolhidos como exemplos banais. Antigamente, as crianças cantavam balão mágico e trem da alegria, hoje tudo que elas aprendem está envoltas em termos chulos, os quais elas aprendem sem nem saber o que estão a dizer e dançam, pulam, vibram igual... Vai entender o porquê da substituição, até que tentam lançar discos infantis, mas a coisa é complicada, daqui uns 20 anos, sai o Xuxa só para baixinhos 1000!

Antes as musicas tinham um valor histórico, cultural, político, era forma de lutar contra a censura, eram expressão. Hoje, as musicas são feitas visando o dinheiro, a promiscuidade que elas venham a trazer, não importa, o que vale mesmo é a conta bancária, os direitos autorais.

Enfim. Não há muito a dizer, como também não há mais, muito a se ouvir. Pena chegar aonde chegamos, que pra se fazer sucesso, tem que mostrar a “bunda” da tevê, ah é... Porque artista que não aparece no Gugu e no Faustão não merece a mínima atenção!

Salve a musica brasileira, salve a musica mundial e não isso não é uma exaltação... É um pedido de socorro mesmo! E tenho dito!